Vieses construtores da cultura organizacional

  • Mônica Maria Martins de Souza PUC-SP

Resumo

Existem corporações que desenvolvem um estilo de comunicação interna tão agressivo e invasivo, que exige dos seus funcionários um perfil constante de estado alterado de consciência. Elas determinam que seus colaboradores adotem a sua filosofia dentro e fora da empresa e cumpram altíssimas metas. Dentre essas empresas se destacam as empresas que adotam o marketing de rede, telemarketing, e nos bancos, os cargos a partir da média gerencia. Nelas, conforme declara a psiquiatra Jamison Kay, os funcionários vivem as raias da loucura. O homem quando adentra o espaço organizacional é enredado pela comunicação normativa que governa os seus domínios. Essa comunicação através de normas implícitas e explícitas submete o funcionário através da persuasão para que ele incorpore as suas características e adote para si os seus valores. Consciente do déficit que compõe a natureza humana, a empresa o seduz com benefícios que aí o prendem, manipulam e vigiam utilizando-se dos vieses simbólicos do poder.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Mônica Maria Martins de Souza é Dra em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP. Psicóloga, jornalista, Mestra em Administração pela Universidade Mackenzie. Especialista em Tecnologia da Educação, Administração e Recursos Humanos e Docência. É professora da Universidade Paulista UNIP/SP e Pesquisadora do Grupo Mediatel/UNIP Programa de Mestrado e dourado onde desenvolve atualmente estudos da relação entre as Organizações e a Antropologia com base na Teoria da Mídia. Leciona nos Cursos de Comunicação, Publicidade e Governança e Tecnologia da Informação, RH e Engenharia. É atual Profa. Convidada na Pós-graduação do Mackenzie e Anhanguera. É Profa. Pesquisadora da Fac. ENIAC em Guarulhos /SP onde organiza e coordena o Seminário Anual, organiza, coordena e edita os ANAIS e contribui com a Revista ENIACPESQUISA.  Na FICS/SP organiza e coordena o Seminário Anual, organiza, coordena e edita os ANAIS e a Revista Acadêmica Augusto Guzzo. Publicou 11 trabalhos acadêmicos em 2011 e em 2012 produziu 2 revistas acadêmicas sendo uma Qualis, 4 artigos 4 Seminários e 4 Anais. Em 2013 produziu e ministrou um curso para a Pós-graduação da UNIP no Mediatel/UNIP, produziu 2 revistas acadêmicas Qualis e 4 artigos. É Consultora organizacional na área administrativa da Euroatlantica. Em curso: Pós Doc na Universidade de Aveiro em Portugal - Tema da pesquisa: Tecnologia em EAD

Referências

1. ACKOFF, L. R. Planejamento de Pesquisa Social. São Paulo: Editora Herder, 1972.
2. AGUIAR, M. A. F. Psicologia aplicada à administração. São Paulo: Excellus, 2000.
3. BAITELLO, N (1997). O animal que parou os relógios. SP: Annblume. 2ª, ed 1999.
4, ARAÚJO, Maynard. Folclore nacional. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, vol III, 1962.
5. BAITELLO Jr., Norval. O animal que parou os relógios. São Paulo: Annablume. 2ª, ed 1997.
6. _____. A cultura de ouvir. In Bentes, I. Zaremba (Org), L. Rádio Nova. Constelações da Radiofonia Contemporânea. Rio de Janeiro: Publique, 1999.
7. _____. Imagem e violência: a perda do presente. In: São Paulo em Perspectiva, Vol. 13/3, Jul/Set. 1999. São Paulo: Fundação Seade, 2000.
8. _____. O olho do furacão. A cultura da imagem e a crise da visibilidade. In: MOTTA, Luiz Gonzaga (et. al.) Estratégias e cultura da comunicação. Brasília: Compós / Editora da Universidade de Brasília, 2002.
9. _____. Publicidade e imagem: a visão e seus excessos. In: CONTRERA, Malena S. e HATTORI, Osvaldo T. (Org.) Publicidade e Cia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.
10. _____. Transcrição de aula, disciplina: Sistemas Visuais e Espaciais. 1o. Semestre 2003, COS PUCSP, arquivo CISC (www.cisc.org.br). Transcrição da autora – 2003.
11. _____. Transcrição de aula, disciplina: A cultura do ouvir. 1o. Semestre 2005, COS PUCSP, arquivo CISC (www.cisc.org.br). Transcrição da autora – 2005.
12. _____. Transcrição da Comunicação do evento: Os Maiores e os Melhores do Mundo: as formas do titanismo na cultura e na comunicação. CISC e Centro Cultural São Paulo 2003, arquivo CISC (www.cisc.org.br).
13. BAKTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia de linguagem. São Paulo: Ed. Hucitec, 1988.
14. BATESON, G. e colaboradores “Towards a Theory of Schizophrenia” Behavioral Science, 1956 e 1968.
15. BATESON, Gregory. Steeps. To na ecology of mind. São Francisco: Chandler ed., 1972.
16. _____. La nouvelle communication. Paris: Seuil, 1988.
17. _____. Metadiálogos. Lisboa: Gradiva, 1989.
18. _____. RUESCH, Jurgen. Communication et sociétë. Paris: Seuil, 1988.
19. BARHUYSEN call forth; of emotions, feelings and responses 2000
20. BAUDRILLARD, JEAN. A troca impossível. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.
21. _____. A troca simbólica e a morte. Portugal, Lisboa: Edições 70, 1996.
22. BELLUOMINI, Roberta. Profissionais de telemarketing desenvolvem problemas mentais. Rede Globo de televisão, programa Fantástico, São Paulo. 09/07/2005.
23. BECK, U. O. (1999) O que é Globalização. São Paulo: Paz e Terra.
24. BECK, U., GIDDENS, A. & LASH, S. Modernização Reflexiva. São Paulo: UNESP, 1997.
25. BELTING, Hans. Likeness and presence: a history of the image before the era of art. Chicago, London: The University of Chicago Press, 1994.
26. BENJAMIM, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas, Vol. 1 São Paulo: Brasiliense, 1985.
27. BERG, P. Organizational Culture Organization change a symbolic transformation. California: Sage. 1985.
28. BERLITZ, Charles. As línguas do mundo, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 3ª ed., 1988.
29. BERNARDO, Gustavo. MENDES, Ricardo (Org.). Vilém Flusser no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.
30. BERNARDO, Gustavo. A Dúvida de Flusser. Rio de Janeiro: Editora Globo, 2002.
31. BOYD, W. & WESTFALL, (1964) H. Pesquisa Mercadológica. vol. I. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.
32. BRETON, Philippe. A manipulação da palavra. São Paulo: Loyola, 1999.
33. BRYMAN, A. Street corner society as a model for research into organizational culture. In: Reframing Organizational Culture. California: Sage, 1991.
34. BYSTRINA, I. Tópicos de semiótica da cultura. São Paulo: CISC, 1995.
35. CAILLOIS, Roger. Les jeux et lês hommes. Edtions Gallimard, (1958 1ª. Ed.) 1967.
36. CARVALHO, A. A Procura do Sentido. Revista: Carta Capital, 10/ 2003:25.
37. CASSIRER, Ernest. Ensaios sobre o homem: introdução a uma filosofia da cultura humana (Tradução Tomaz Bueno) São Paulo: Marins Fontes, 1994.
38. _____. Linguagem e mito. São Paulo: Ed. Perspectiva, Coleção Debates, 1972.
39. CHANLAT, J.F. O Indivíduo na organização. São Paulo: Atlas, 1993.
40. COHEN, Jean. Estrutura da linguagem poética. São Paulo: Ed. Cultrix, 1978.
41. CONTRERA, Malena Segura. Mídia e pânico. São Paulo: Annablume, 2002.
42. _____, GUIMARÃES, L., PELEGRINI, M., SILVA, M. R. O espírito do nosso tempo. São Paulo, Ed. Annablume. 2004.
43. CUNHA, A. G. Dicionário etimológico. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1989.
44. DALBOSCO, Honório. Bíblia sagrada. São Paulo: Ed. Paulinas, 1982.
45. DANDRIDGE, T.C. The life stages of a symbol: when symbols work and when they can’t." in: Organizational Culture. California: Sage, 1985.
46. DEJOURS, C. A Loucura no trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez, Oboré, 5a edição, 1992.
47. DELEUZE, G. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Ed. Graal, 1988.
48. FERNANDEZ, J. W. Persuasions and performances. Bloomington: Indiana, 1986.
49. EIBESFELDT, Eibl. El hombre pré programado. Spain: Ed. Alianza, 1973.
50. ELIADE, M. Images et symboles. Paris: Gallimard, 1980.
51. __________. Images et Symboles.París: Gallimard, 1980.
52. ELIAS, Norbert. O Processo civilizador. Vol I. Uma história dos costumes apresentação Renato J. Ribeiro. São Paulo: Ed. Jorge Zahar, 2000.
53. ENRIQUEZ, E. A. Organização em Análise. Petropólis: Vozes, 1997.
54. ERASMO, de Roterdam. Elogio da loucura. Paris: 1509 a primeira publicação. Rio de Janeiro: ed. Tecnoprint ltda.
55. FESTINGER, L. & KATZ, (1966) D. Research Methods in the Behavioral Sciences. New York: Holt, Rinehart and Winstons.
56. FERRARA, Lucrecia. Os Significados Urbanos. São Paulo: Edusp/Fapesp, 2000.
57. FLUSSER, V. A Dúvida. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.
58. _____. A História do Diabo. São Paulo: Martins Fontes, 1965.
59. _____. Da religiosidade. São Paulo: Comissão Estadual de Cultura, 1967.
60. _____. Die Schrift. (A Escrita). Göttingen: Immatrix 4ª Ed., 1992.
61. _____. Fenomenologia do brasileiro: em busca de um novo homem. Rio de Janeiro: Eduerj, 1998.
62. _____. Ficções Filosóficas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1998.
63. _____. Filosofia da Caixa Preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1985.
64. _____. Língua e realidade. São Paulo: Herder, 1963.
65. _____. Los gestos: fenomenología y comuniación. Barcelona: Herder, 1994.
66. _____. Natural:mente: Vários acessos ao significado da natureza. São Paulo. Ed. Duas cidades, 1979.
67. _____. Pós-história: vinte instantâneos e um modo de usar. São Paulo: Duas cidades, 1983.
68. FONSECA, Alexandre Brasil. Evangélicos e mídia no Brasil. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2003.
69. FORESTER, J. Critical theory and organizational analysis. in: Strategies for Social Research. London: Sage, 1983.
70. FOUCALT, M. A ordem do discurso. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo ed Loyola, 2001, p. 43
71. _____. História da loucura. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1990.
72. _____. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 6ª. ed., 1989.
73. _____. Vigiar e punir. Petropolis, Vozes, 26a. ed., 2002.
74. FROST, J. P. "An Allegorial View of Organizational Culture." In: Organizational Culture. California: Sage, 1985.
75. GASSET, José Ortega y. A rebelião das massas; tradução Marylene Pinto Michael, 2a. ed., São Paulo: Martins Fontes. (Título original: La rebelión de Las masas, 1a. ed. 1937, ed. Espasa-Calpe. Argentina, Buenos Aires), 2002.
76. GEBAUER, Günter & WULF, Christoph. Acessos miméticos ao mundo. Agir social, rituais e jogos e produções estéticas. São Paulo: Annablume, 2004. (no
77. GRÜNEWALD, J. L. O grau zero do escriviver. São Paulo: Perspectiva, 2002.
78. HALL, EDWARD T. A dança da vida. A outra dimensão do tempo. Portugal, Lisboa: Relógio D’Água, 1996.
79. _____. A linguagem silenciosa. Portugal, Lisboa: Relógio D’Água, 1998.
80. HARLOW, Harry. Love creatted, love destroyed, love regained. In: modeles animaux du comportement humanin. Paris: Centre National de la Recherche Scientifique, 1970.
81. HLADE A. P. Instituto Brasileiro de Direito de Família - IBDFAM. Disponível em http:// www.advocaciaconsultoria .com.br>.Acesso em 03 ago. 2005.
82. HILLMAN, James. Encarando os deuses. São Paulo: Cultrix/Pensamento, 1997.
83. _____. Cidade & alma. São Paulo: Nobel, 1993.
84. _____. O código do ser. Rio de Janeiro: Objetiva, 1997.
85. _____. Paranóia. Petrópolis: Vozes, 1993.
86. HUIZINGA, J. Homo ludens. São Paulo: Perspectiva, 1996.
87. IASBECK, L. C. A. A arte dos slogans: as técnicas de construção das frases de efeitos do texto publicitários. São Paulo: Annambule, 2002.
88. JAMISON, Kay Redfeild. Uma mente inquieta: memórias de loucura e instabilidade de humor. São Paulo: Martins Fontes 1998.
89. JOERGES-C.B. "Culture Is the Medium of Life" in: Reframing Organizational Culture. California: Sage. 1991.
90. JUNG, C. G. Aion, estudos sobre o símbolo do si-mesmo. Petrópolis: Vozes, 1976.
91. _____. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Petrópoles: Vozes, 2000.
92. _____. O homem e os seus símbolos. Rio de Janeiro. Nova Fronteira s/d.
93. KAMPER, D. Wulf, C. Looking back on the end of the world. Nova York: Columbia University, 1989.
94. KAMPER, DIETMAR. A estrutura temporal das imagens. São Paulo: Revista Ghrebh-, 2002.
95. _____. Jan fabre ou lärte de lïmpossible. Strassbourg: la chaufferrie, 1999.
96. _____. O Trabalho Como Vida. São Paulo: Annablume, 1998.
97. _____. Loucura. Texto. Tradução de Maurício Andrade, www.cisc.org.br. COSPUCP, 2003.
98. _____. Os padecimentos dos olhos in: Castro, Gustavo et al. (coordenador). Ensaios de complexidade. Porto Alegre, Sulina, 1997.
99. LAPASSADE. G. Groupes Organisations Institutions. Paris: Gaulthier-Villars, 1974.
100. LEHNERT, Gertrud. História da Moda do Século XX. Tradução J. M. Consultores, S.A.. Colônia: Alemanha: Könemann, 2001, p. 9.
101. LEROI-GOURHAN, André. As religiões da pré-história. Lisboa: Edições 70, s/d.
102. LÉVY, Pierre. A máquina universo. Criação, cognição e cultura. Porto Alegre: Artmed, 1998.
103. LIMA, Venício Artur. Mídia: teoria e política. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo. 2001.
104. LUNDBERG, C. Musings on self, culture, inquiry. In: Reframing Org Culture. Califórnia: Sage, 1991.
105. MAINGUENEAU, Dominique. Termos-Chave da Análise do Discurso. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000, p. 97.
106. MARCONDES FILHO, C. A produção social da loucura, São Paulo: ed. Paulus, 2003.
107. _____. Quem manipula quem? 2. ed. Petrópolis: RJ. Vozes, 1987.
108. MCLUHAN, M. Os meios de comunicação como extensões do homem. 8a. ed. São Paulo: Cultrix, 1979.
109. MATURANA, H. El sentido del humano. Santiago: Dolmen Ediciones, 1991.
110. _____. VARELA, F. A árvore do conhecimento: as bases biológicas do entendimento. Campinas: Editorial PSY II, 1995.
111. MENEZES, J. E. de O. Vínculos Sonoros. O rádio e os múltiplos tempos: as vozes da cidade. 178 f. T/D, USP, São Paulo: USP, 2004.
112. _____.As Formas de Percepção e as Mudanças Culturais. Disponível em www.cisc.org.br/biblioteca. Acesso em 16/8/2004, às 2h29min.
113. MORGAN, G. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, 1996.
114. MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand-Brasil, 1996.
115. _____. Introdução ao pensamento complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 1990.
116. _____. O paradigma perdido. Portugal: Europa América, 2000.
117. _____. O método I: a natureza da natureza. Portugal: Publicacões Europa-
118. _____. O método II: a vida da vida. Portugal: Publicações Europa-América, 1980.
119. _____. O método III: o conhecimento do conhecimento. Portugal: Publicações Europa-América, 1986.
120. _____. O método IV: as idéias: a sua natureza. Vida, habitat e organização. Portugal: Publicações Europa-América, 1991.
121. MORRIS, Desmond. O macaco Nu. Trd. Hermano Neves. São Paulo: Circulo do livro, 1967, p. 112.
122. PRIGOGINE, Ilya. O Fim das Certezas. São Paulo: Edunesp, 1996.
123. PROSS, H. Sociedade do protesto, São Paulo: Annablume, 1997.
124. _____. Estructura simbólica del poder. Barcelona: Gustavo GILI, 1980.
125. PROSS, H. & ROMANO, V. Atrapados em la rede de los medios. Orientación Em La diversidad. Hondarribia: Argitaletxe Hiru, 1999.
126. PINTO, Álvaro Vieira. O conceito de Tecnologia. Vol. 1. 2005, p. 444.
127. QUEVEDO, M. Introdução aos sistemas Internacionais de Comunicação. D/M PUCSP, 2004.
128. ROMANO, Vicente. Desarrollo y Progreso: por una ecología de la comunicación. Barcelona: Editorial Teide, 1993.
129. _____. Tiempo y espacio en la comunicación. Hondarribia: Argitaletxe Hiru, 1999.
130. RUSSELL, A Besançon. Vers une histoire psychanalytique. Annales, maio de 1969.
131. QUINN, R. E. MACGRATH, R. M. The transformation of organizational cultures: a competining values perspective. In: Organizational Culture. California: Sage, 1985.
132. SAMAIN, Etienne. Temas básicos da sociologia, Programa de Pós-Graduação em Multimeios da UNICAMP. site: http://www.unr.edu.ar/. Acesso em 25/10/2003
133. SCHEIN, E. H. The role of the founder in the creation of organizational culture. In: Reframing Organizational Culture. California: Sage, 1991.
134. ____."What Is Culture?" In: Reframing Organizational Culture: California: Sage, 1991.
135. SCHEREBER, Daniel Paul. Memórias de um Doente dos Nervos. Ed. Paz e Terra AS. Rio de Janeiro: 1995.
136. SFEZ, Lucien. Crítica da comunicação. São Paulo: Loyola, 1994:13.
137. SELLTIZ, C., JAHODA, M., DEUTSCH, & COOK, S. W. Research Methods in Social
138. Relations. New York: Holt, Rinehar and Winston, 1961.
139. SMIRCH, L. "Is the Concept of Culture a Paradigm for understanding Organizations and Ourselves?" In: Organizational Culture. California: Sage, 1985.
140. SERRES, Michel. A lenda dos anjos. São Paulo: Aleph, 1995.
141. _____. Os cinco sentidos: filosofia dos corpos misturados. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.
142. SODRÉ, M. Antropológica do espelho: Uma teoria da comunicação linear em rede. Petrópolis: Vozes. 2002.
143. SYMANSKI, Rosa. Quer enriquecer? Pergunte-me como. Artigo: Revista Você SA. São Paulo, 10/2004.
144. TOSCANO, M. Introdução a Sociologia educacional. Petrópoles: Ed. Vozes 1984.
145. VIEIRA, J. A. Sistemas Psicossociais. Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica PUC-SP 2005. Museu Nacional de UFRJ. Texto não publicado, p. 4.
146. WATZLAWICK, P. A realidade inventada: como sabemos o que cremos saber. Campinas: Ed Psy, 1994.
147. WATZLAWICK, P; BEAVIN, J. JACKOBSON, D. Pragmática da comunicação São Paulo: Cultrix, 1993.
148. WEICK K. E. "The Significance of Corporate Culture." In: Organizational Culture. California: Sage, 1985.
149. WINKIN, Yves. A nova comunicação: da teoria ao trabalho de campo. Campinas: Papiros, (Org. Etienne Samain), 1998.
150. YIN, R. K. Case study research. California: Sage, 1984.
151. ZUMTHOR, P. Performance, recepção e leitura. Trad. Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: EDUC, 2000.

TEXTOS DISPONÍVEIS NA Internet

BAITELLO, Norval. As imagens que nos devoram. Antropofagia e iconofagia. In www.sescp.com.br. Acesso em 16/8/2003 às 2h28min
_____. As irmãs gêmeas: comunicação e incomunicação. Disponível .em www.cisc.org.br/biblioteca. Acesso em 17/8/2003 às 27h29min
_____. A mídia antes da máquina. Disponível em www.cisc.org.br/biblioteca.
_____.Com sonhos, o homem alcança a imortalidade. Disponível em www.cisc.org.br/biblioteca. Acesso em 13/8/2003 às 22h25min
_____. O olho do furacão. A cultura da imagem e a crise da visibilidade. Disponível em www.cisc.org.br/biblioteca. Acesso em 19/8/2003 às 20h18min
_____. O tempo lento e o espaço nulo. Mídia: primária, secundária e terciária. Disponível em www.cisc.org.br/biblioteca.
_____. Síndrome da Máquina. Disponível em www.cisc.org.br/biblioteca.
_____. Vítimas de um bombardeio de imagens. Disponível em www.cisc.org.br/ biblioteca. Acesso em 11/8/2003 às 12h21min
_____. A cultura de ouvir. Disciplina ministrada, 1º.Semestre 2005, COS PUCSP, arquivo CISC (www.cisc.org.br), aulas transcritas pela autora.
KAMPER, DIETMAR Corpo. Disponível em www.cisc.org.br/biblioteca. Acesso em 16/8/2003 às12h54min.
_____. Imagem. Disponível em www.cisc.org.br/biblioteca Acesso em 16/8/2003 às 2h28min
_____. Imanência dos Media e Corporeidade Transcendental. Disponível em www.cisc.org.br/biblioteca. Acesso em 16/8/2004 às 2h20min.
_____. Loucura. Disponível em www.cisc.org.br/biblioteca Acesso em 16/8/2003. às
22h30min.
_____. Corpo. Disponível em www.cisc.org.br/biblioteca Acesso em 16/8/2004. às 2h27min
_____. O corpo vivo, o corpo morto. Disponível em www.cisc.org.br/biblioteca. Acesso em 16/8/2003. às 19h41min.
_____. O Medial - O Virtual - O Telemático. Disponível em www.cisc.org.br/biblioteca. Acesso em 16/8/2003. às 2h32min.
_____. Sete Princípios Rejeitados sobre Arte, Terror e Civilização . Disponível em www.cisc.org.br/biblioteca Acesso em 21/8/2003 às 13h37min.
FLUSSER, V. Jogos, suplemento literário OESP - 09/12/1967. site do Centro Interdisciplinar de Semiótica da Cultura e da Mídia - CISC - www.cisc.org.br. Acesso em 29/10/2003 às 18h59min.
SAMAIN, Etienne. Temas básicos da sociologia, Programa de Pós-Graduação em Multimeios da UNICAMP. site: http://www.unr.edu.ar/. Acesso em 10/8/2003 às 16h41min
Publicado
2012-12-23
Como Citar
SOUZA, Mônica Maria Martins de. Vieses construtores da cultura organizacional. Anais do Seminário das Faculdades Integradas Campos Salles, [S.l.], v. 4, dec. 2012. Disponível em: <http://www.fics.edu.br/index.php/seminario/article/view/177>. Acesso em: 17 sep. 2021.

Palavras-chave

vieses; simbólicos; poder